segunda-feira, 18 de abril de 2011

Engarrafado

Estou parado aqui dentro.
Estamos parados no meio da pista.
Nada anda, alguém fez besteira.
Se eu pudesse, chutaria toda essa lataria.

Ninguém parece irritado.
Isso me irrita ainda mais.
A fila nunca acaba.
Esta viagem é um martírio.

Então toda minha vida parece que parou.
Me preparei para correr e não saio do lugar.
Somos conduzidos como porcos.
Estamos morrendo e o mundo não espera.

Dez minutos, meia hora, uma hora.
Estão todos conformados.
E eu rio para não chorar.
Prisão de angústia, procuro me conter.

Então eu chego esgotado.
O dia ainda nem começou.
Mais uma náusea dessa mesma vida.
E tudo ainda pode piorar.

Nenhum comentário: