terça-feira, 26 de abril de 2011

(D) Existir

Você caminhou tanto e encontrou uma porta fechada.
De que adiantou sangrar os pés?
Tudo à sua volta está apodrecendo.
Esperanças são para os tolos.

Corpo e alma cansados.
Estou sozinho, sigo sozinho.
De que adiantaram tantos dias e sonhos?
A sombra é a única companheira que fica.

Tudo o que fazemos é estéril.
Você recomeça todos os dias, mas à noite a sensação é sempre a mesma.
Está incompleto, sobriedade insuportável.
Seu ponto já passou, desça logo.

Não existe caminho certo, não existe chegada.
A vida é uma farsa.
Estão apenas brincando com você.
Coma a própria carne, beba o próprio sangue.

4 comentários:

Jeannine Xavier - ( Jeam'x ) disse...

Me amarrei no teu blog!!! parabens!!!
Volto mais vezes... tenha certeza!

conhece la tambem...
pontasequinas.blogspot.com

Bruno Mello Souza disse...

Oi Jeannine!

Fico muito feliz com os elogios! E pode voltar sempre, é uma alegria imensa!

Abraço!

João Batista de Lacerda disse...

Estive por aqui...
Abraços.

Bruno Mello Souza disse...

Olá, João! Obrigado pela visita!

Abraços.