sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Recomeços

A vida é feita de recomeços. Nunca sabemos onde vamos chegar. Sequer sabemos se vamos chegar. Mas temos que nos manter fortes e firmes. Temos que continuar a caminhada. Às vezes, voltar quilômetros, e recomeçar, por outro caminho, outro rumo.

Os recomeços são dolorosos. Isso é inegável. Às vezes, rumamos convictos por uma estrada, vemos flores e a beleza do campo, sentimos o agradável cheiro da felicidade. É a certeza do caminho certo, por mais redundante que isso possa parecer. Até que, de uma hora para outra, nos deparamos com uma placa dizendo que estamos no caminho errado. Aí, temos que voltar. A volta se dá pela mesmíssima estrada. Continuamos a sentir o mesmo cheiro de felicidade, e vendo as mesmas flores, admirando a mesma beleza do campo. Mas estamos voltando, já saudosos de paisagens tão bonitas. Paisagens inesquecíveis.

Estou vivendo esse caminho da volta. O coração dói um pouco. Não é fácil a sensação de saída de um caminho no qual acreditamos tão firmemente. Fica um certo vazio. Mas continuo admirando essa paisagem e essas flores. São imagens e momentos que ficarão gravados em meu coração até o último dia da minha vida.

De toda forma, a estrada continuará a existir. Levo dela o que de mais humano e doce já senti e presenciei. Foi um sonho lindo. Espero, pelo menos, ter deixado alguma marca boa. Algo que registre o quanto experimentei a mais singela, sincera e contemplativa alegria. Já não contenho as lágrimas. Não são lágrimas de tristeza. São lágrimas limpas, puras. São lágrimas de quem teve o privilégio de se sentir vivo. Num caminho talvez equivocado, mas nem por isso menos maravilhoso. Não me arrependo nem um pouco de ter andado por aqui.

Agora, resta me reencontrar. Caminharei por outras estradas. Não serão como esta. Seguirei pela obrigação de procurar meu rumo, um rumo que não sei ao certo qual é. Mas seguirei, sempre lembrando da beleza das flores e do campo, e do cheiro de felicidade que só esta estrada possui. E, talvez um dia, eu veja que o que estava errado não era a estrada, mas o destino escolhido. E aí poderei, de uma vez por todas, voltar a essa estrada, por aqui andar, e tudo daqui admirar com a máxima intensidade, sem pensar em chegar a lugar algum, que não seja este mesmo. Ficarei somente pela beleza das flores e do campo. Ficarei somente pelo cheiro da felicidade.

Nenhum comentário: