sábado, 4 de setembro de 2010

Vozes

Cale a boca antes que eu dê um soco em sua cara.
Más ideias, o paraíso prometido.
Talvez eu aperte o seu rosto até que sangre.
Tenho que guardar bem no saco de lixo.

Me deixe quieto enquanto cuspo no chão.
Seu silêncio é minha glória.
Enfie goela abaixo as porcarias de sua cabeça.
Estrague todos os planos para que eu possa rastejar feliz.

Posso pisar nessas baratas antes que você grite.
Posso enfiar o rosto neste prato de comida.
Gostaria de ver se você ainda teria apetite.
Vista a roupa mais ridícula e ria da cara de todo mundo.

Malditas vozes atordoam minha mente.
Queimem no inferno de forma divina.
Vou vomitar no seu solo sagrado.
Por mais que eles me sufoquem, ainda assim me manterei vivo.

Sinto o prazer intenso de ser um incômodo.
Nunca perguntaram a minha opinião.
Sou apenas um saco de batatas podres.
Já não me importo mais com isso.

Nenhum comentário: