sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Ao quadrado e ao cubo

Procuro meu sofrimento.
Seria mais fácil não olhar para aquela foto.
Mas olho, para esganiçar o meu estômago.
O ar se esconde, respiro e não encontro nada.

Podia levar tudo para um canto qualquer.
Mas você se faz presente.
Penso em sua boca, até que minha cabeça comece a girar.
Faço questão de te erguer ao mais alto posto.

Não sei se vivo um sonho ou um pesadelo.
Preciso da resposta, mas não consigo formular a pergunta.
Mais dias, angustiantes dias.
Minhas entranhas queimam, minha alma derrete.

Eu não imaginava que seria assim.
Meu peito explodiu, estou apequenado diante do que sinto.
Me ajude um pouco, tire um pouco deste peso de minhas costas.
Jogue-o no chão se preciso, mas não me deixe sangrando assim.

Nenhum comentário: