sábado, 21 de agosto de 2010

Pintor

Pincel em mãos, tintas na mesinha, o quadro branco em minha frente. A liberdade é tão grande que as ideias faltam. Nada parece suficientemente bom. Nada parece suficientemente motivante.

Poderia pintar as pessoas que passam na rua. Poderia pintar o céu azul, as árvores. Poderia pintar rostos entediados. Entretanto, mais que tédio, os rostos estão tomados por angústia. Angústia contida, disfarçada.

Poderia pintar as luzes e sombras do meu peito. Decepções e esperanças. Idas e vindas. Risos e choros. Fantasias e realidades. Dignidade e remorso. Atividade e inaptidão.

Poderia pintar meus sonhos confusos. Um mundo utópico de amor, liberdade e pureza. Poderia pintar a realidade dolorosamente surreal. O egoísmo, a frieza, a alienação, as redomas, as premeditações.

Poderia pintar o nojo que sinto de tudo à minha volta. Poderia pintar o boteco vazio. Poderia pintar a garrafa de vinho, o vômito na calçada, o telefone que não toca. Poderia pintar a minha metamorfose, meu desleixo, minha desistência gradual e ininterrupta.

Poderia pintar as flores de plástico, meu coração tolo, meus caminhos errados. Poderia pintar o desgosto pelo tempo, poderia pintar a solidão que me invade, poderia pintar a multidão que me afoga em desespero.

Poderia pintar minha espera burra, a redenção que nunca chega, a face oculta da felicidade plena. Poderia pintar um sorvete, um gol, meu herói predileto.

Poderia pintar um novo dia, uma nova vida, um novo propósito. Poderia pintar o ontem, as chuvas dos meus olhos, os tombos incalculáveis. Poderia pintar o hoje, esta massa indefinida, esta bússola desregulada e mentirosa, este inacreditável jogo de pisca-pisca, aparece-some. Poderia pintar até mesmo o amanhã, ao mesmo tempo óbvio e obscuro.

Poderia pintar de verde minhas esperanças, de vermelho minhas paixões, de roxo minha alma, tão socada, chutada, surrada nos becos suburbanos de minha existência.

No entanto, por enquanto é melhor não pintar nada. O branco é minha janela aberta para pintar algo que realmente valha a pena, algo que ainda não surgiu em minha mente e meu coração.

Nenhum comentário: