quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

3 anos

Hoje o Inter comemora 3 anos do título mundial conquistado em Yokohama, contra o até então todo-poderoso Barcelona. O dia 17 de dezembro de 2006 foi uma data histórica não só para o Inter, mas para o futebol gaúcho. Afinal, naquele dia, pela primeira vez na história, um clube gaúcho conquistava um Mundial Interclubes da FIFA.
Aquele foi o dia mais feliz da minha vida. Foi perfeito. Se melhorasse, estragava. Era um grande sonho conquistar um Mundial. Ser o melhor time do mundo, reconhecido pela FIFA, é para poucos. Raros, diria eu. Esse seleto grupo de clubes é formado por Inter, São Paulo, Milan, Manchester United e Corinthians. Cinco clubes. E só.
Não bastasse isso, o título foi conquistado em cima daquele time que era considerado o grande bicho-papão do futebol mundial: o Barcelona. Desfalque por desfalque, os dois times foram quites: o Inter não tinha Hidalgo; o Barça não tinha Eto'o. Não me falem em Messi. Messi era reserva de Giuly. Re-ser-va. Quem não acredita, que dê uma olhada na ficha técnica da final da Champions League daquele ano (http://news.bbc.co.uk/sport2/hi/football/europe/4773353.stm). Se desfalque de jogador reserva contar, bem, então serei obrigado a considerar Renteria, o saci colorado, jogador importantíssimo daquele elenco. E daí, ficaríamos quites, de novo.
Os reis da dor-de-cotovelo ainda argumentam que o Barcelona não tinha interesse naquele título. Como assim, cara-pálida? Quando o time catalão tocou quatro ao natural no América do México, ninguém disse isso. Também não foi o que vi nas expressões de Deco, de Ronaldinho Gaúcho, de Rafa Marquez, de Puyol, de Giuly e de Riijkard enquanto o time estava sendo derrotado, e depois da partida. O treinador holandês, e alguns jogadores, inclusive, tiraram a medalha de prata imediatamente após recebê-la, num gesto de frustração, raiva e desconsolo. Novamente, quem não acredita, veja esses vídeos (http://www.youtube.com/watch?v=4X0-5ykJzCM); (http://www.youtube.com/watch?v=bAa50PfvvLI).
É por essas e outras, caros leitores, que o dia 17 de dezembro é tão especial, um marco histórico, um marco nos corações colorados. Presenciamos naquele dia, A História. O Sport Club Internacional batia uma seleção do mundo, que jogou com arrogância e auto-suficiência, é verdade, mas que queria aquela taça erguida por Fernandão, tanto quanto nós. E por isso valeu a pena.
Como foi bom ser colorado aquele dia. Como é bom ser colorado, todos os dias.

Nenhum comentário: