sexta-feira, 27 de novembro de 2009

As três grandes potências futebolísticas do continente

Tem muita gente que olha atravessado para a LDU do Equador. Simplistamente, utiliza-se o argumento de que a equipe só ganha por causa da altitude, e outras balelas que tais. É óbvio que a altitude faz diferença. Mas não faz tanta diferença a ponto de transformar a equipe na potência que hoje ela é. Fosse tanta a discrepância, o The Strongest da Bolívia seria octa-campeão da América.
A verdade é que os anos 2000 serviram para afirmar três grandes potências no futebol do continente: Boca Juniors, Inter e LDU. O Boca, apesar de evidentemente já ser um grande clube, obteve suas maiores glórias na década presente. O Inter, um gigante em seu país, finalmente ultrapassou o âmbito doméstico, assim como a Liga Deportiva Universitária. Com o eminente título da Copa Sul-Americana, apenas estes três clubes poderão se gabar de possuírem a tríplice coroa continental: Libertadores, Sul-Americana e Recopa. São, precisamente por isso, a força que são.
Isso só serve para respaldar o valor que sempre dei às competições continentais. Cansei de defender, e continuarei defendendo, que a Copa Sul-Americana é mais importante do que qualquer campeonato nacional. Quantos países assistiram ao jogo da última quarta? Quantos países assistirão, por exemplo, a última rodada do Brasileirão? Essa é a grande diferença. E é uma questão geográfica mesmo: o continente é maior que o país, ora bolas.
Não é à toa que o slogan das chamadas da Sul-Americana na Fox Sports é "La otra mitad de la gloria". É uma competição que vem ganhando cada vez mais charme, dá status, e apenas o arrogante futebol brasileiro a considera um incômodo. O fato de a Libertadores ser mais importante não torna a Copa Sul-Americana uma competição desprezível.
Vencer, aparecer no cenário continental, é sempre prestigioso. É por pensar assim, grande, que Inter, Boca e LDU possuem essa espécie de hegemonia. E enquanto os outros continuarem pensando pequeno, a tendência é que venham a dominar ainda mais o cenário do futebol continental.

Nenhum comentário: