segunda-feira, 14 de setembro de 2009

1 ano de Dilemas Cotidianos- 3ª posição: "Carinhosa"

Chegamos ao pódio do especial de 1 ano do Dilemas Cotidianos. A terceira posição vai para o texto "Carinhosa", originalmente publicado em maio deste ano.
........................................................................................................................
Estou eu olhando o site Globo.com e me deparo com uma reportagem falando sobre os cumprimentos "carinhosos" de Carolina Dieckmann junto a seus amigos: com um beijo na boca. É impressão minha ou o mundo tá acabando? Beijo na boca é mais do que pura e simples amizade. Pode não ser o compromisso de um amor eterno. Mas tem um significado que vai além da amizade. Ou não? Vai ver, tô louco...E, se realmente há esse tipo de tratamento, para o mundo que eu quero descer (nossa, o fim do acento diferencial é feio pra caramba, ridículo, mas, paciência...). O que é parâmetro, então, para relação homem-mulher? Qualquer hora dessas, vai ter mulher recebendo os amigos com um boquetezinho na porta. Sabe como é, carinho de amigo, coisa sem maldade... Dependendo do grau de intimidade com os amigos, pode rolar até uma penetração vaginal ou anal. Mas tudo com muita amizade...Algumas libertinagens dos dias de hoje são "meio completamente nojentas". É a cultura mtvística. Não entendam isso como um discurso reacionário ou conservador. Mas algumas coisas tem de ser conservadas. Alguns elementos são delimitadores. Beijo na boca sempre foi uma referência. É verdade, veio se diluindo e perdendo significado com o tempo. Mesmo assim, não pode passar do limite amigo x mais-que-amigo. Que coisa mais louca, afinal! É a perda absoluta de parâmetros e padrões, que são absolutamente necessários.Os atos entre as pessoas, os gestos, tudo isso não é uma banalidade. É a partir de tais atos e gestos que as pessoas fazem suas sinalizações, umas para as outras. Se se perde isso, perde-se toda e qualquer organização mental, perde-se toda a capacidade de se tomar uma atitude minimamente coerente. É como se o governo decidisse, de uma hora pra outra, que de vez em quando o sinal verde quer dizer "pare", outras vezes quer dizer "siga"; que o sinal vermelho pode significar "atenção" ou "siga" ou até mesmo, quem diria, "pare"! É o caos completo e absoluto. As relações humanas, afinal, são cada vez mais caóticas e absurdas. Viva o desregramento doentio de uma sociedade em que vale tudo! E, contrariando o jogador e filósofo Gil, vale tudo, INCLUSIVE dar o cu. Eu, felizmente, tô fora dessa... Prefiro continuar sendo um quadradão, daqueles do tempo em que chamar mulher de cachorra era ofensa...

Nenhum comentário: