sexta-feira, 3 de julho de 2009

Os anjinhos do Parque São Jorge

Ontem, ao final do jogo que sacramentou a eliminação gremista da Libertadores, o narrador/brinquedo assassino Luis Roberto proferiu, cheio de razão, algo como: o Grêmio foi eliminado, mas hoje se viu uma conduta desportiva. Como quem sugere que o Inter, na noite anterior, tivesse sido antidesportivo.
Todos sabemos que o Inter tocou numa ferida da Globo. Corinthians e Flamengo são as teteias da grade de programação futebolística da emissora. Por isso, os brados de Luis Roberto. Vai ver, atitude legal é uma torcida imitando macacos quando um jogador aquecia. Ah, mas o Cruzeiro não tem o poder midiático de um Coringão ou de um Mengão. Então, deixa pra lá.
Quanto ao jogo da quarta, realmente, o Inter foi incrivelmente antidesportivo. O Corinthians de São Paulo é um time de anjinhos, coitadinhos que foram maltratados pelos malvados jogadores colorados. Fair Play mesmo é o elef..., digo, centroavante Ronaldo mostrar o dedo médio para a torcida colorada. Seria muita apelação fazer qualquer piada contra o jogador de mais peso no futebol tupiniquim, a respeito de imaginar ele fazendo a festa com os travecos da Farrapos. Por isso, não vou, por mais que me provoquem, entrar nessa onda e sugerir que ele adoraria dar umas voltinhas em algum drivin com uns travecos bem pauzudos. Não mesmo. Eu não seria capaz dessa maldade.
Atitude desportiva deve ter sido a declaração do babaca do Felipe chamando o colorado de chororado, desrespeitando a instituição Internacional. Esse cara tem algum recalque, algo quase psicossexual, contra o Inter. Ele adora falar do colorado. Acho que ele se preocupa mais com o Inter do que com o time dele. Taí um goleirinho que eu jamais quero ver jogando no meu clube. Até mesmo porque ele tem uma urucubaca danada naquele corpo: todo time em que ele joga é rebaixado de divisão. E como o meu clube jamais frequentou o submundo do futebol, quero esse cara e sua pecha perdedora bem longes do Internacional.
Jogo limpo é o Cristian matando tempo no chão. Jogadorzinho medíocre. Mal-educado acima de tudo. Assim como o palhaço do André Santos, rindo debochadamente em sua saída de campo. Realmente, esse Corinthians é um exemplo de boa conduta dentro de campo (fora de campo, nem vou falar nada). São os anjinhos do Parque São Jorge.
Certo mesmo tá o D'ale. Tem horas em que um jogo de futebol é mais do que um jogo de futebol; há momentos em que se precisa mais do que jogadores em campo: precisa-se de homens, com brios, com dignidade, com orgulho próprio. D'alessandro defendeu o time dele. Defendeu a torcida dele, que estava sendo desrespeitada por um bando de imbecis que fardavam preto e branco. Na praça, surgem críticas moralistinhas ao D'ale. Inclusive de torcedores do Inter. Bom mesmo era o Alex, que sempre desaparecia na hora da pomada. Fique claro, tenho muita gratidão a ele, fez muito pelo Inter. Mas a verdade é que, quando chegavam os momentos de se ter e estrela, ele sucumbia. Não se tinha notícias de Alex em campo. Isso é fato.
Valorizem D'alessandro. Não cometam essa injustiça com alguém que simplesmente encarnou a paixão vermelha, que por ter sangue correndo nas veias não aceitou o imenso deboche corintiano que tinha virado o jogo no Gigante. Queiram D'alessandro, aplaudam D'alessandro. E quem não o fizer, que não venha nem se queixar quando se pegar tendo que esperar por grandes brilhaturas de Andrezinho ou Giuliano em um jogo decisivo de campeonato. Para alguns, bom mesmo sempre vai ser quem está fora. Lamentavelmente.

Nenhum comentário: