terça-feira, 16 de junho de 2009

Jason e Chucky

Minha infância foi marcada por algumas peculiaridades interessantes. É lógico que, como qualquer criança de classe média-baixa normal, eu curtia desenhos animados como "Dennis, o Pimentinha", "Pica-pau", clássicos da Disney e seriados japoneses. Mas muito novo, com uns 6 anos, descobri uma outra paixão: filmes de terror.

Os primeiros filmes de terror dos quais me lembro são "Brinquedo Assassino 2" e "Sexta-feira 13 parte 8: Jason ataca Nova Iorque". Chucky e Jason povoaram a minha infância. Quando meus pais compraram nosso primeiro- e único- videocassete, a primeira fita que assisti foi exatamente a do Brinquedo Assassino 2. Presente do meu tio Genoar. E desde então sempre venho acompanhando o melhor e o pior dos filmes de terror.

Além dos dois precursores da minha vida cinéfilo-terror-maníaca, me recordo de um palhaço assassino de nome It, e de Michael Myers, da série Halloween. Este, pra mim, um primo pobre de Jason. Dono, entretanto, de um dos melhores temas musicais da história dos filmes do gênero, tendo concorrência somente da música angustiante do espetacular "O Exorcista".

E assim fui levando minha vida de expectador de filmes de terror. Vi muita porcaria. "Pânico", para mim, é o emblema maior disso em termos de filmes do gênero. Os personagens não possuem o mínimo de carisma, são caricatos, forçados, inúteis e ridículos. Vi "O Albergue", este sim, um clássico do estilo, forte, pegado, perturbador. Infelizmente, depois fizeram uma sequência frustrante, pra dizer o mínimo. Não poderia deixar de citar os dois primeiros "Jogos Mortais", que depois degringolaram para sequências confusas e um tanto absurdas, que tiraram o encanto da série.

Outras coisas boas que me obrigo a destacar são "A Casa de Cera" e "Viagem Maldita" (refilmagem de "Quadrilha Sádica", dos anos 1970). Além disso, um subgênero interessante que surgiu foi o terror-comédia, em que se destaca principalmente o último filme de Chucky, além do maluco "Mutilados" e do escrachadíssimo "Planeta Terror", filme mal compreendido por muitos.

Filmes de terror tornaram-se, enfim, minha primeira referência quando pego qualquer amontoado de dvds. É por eles que eu procuro primeiro. Talvez sejam o gênero mais envolvente do cinema. Quando bem feitos, é claro. São legais pra caramba, quando criativos e bem desenvolvidos. E pensar que, pra mim, tudo isso começou com aquele inofensivo "Oi, eu sou o Chucky. Vamos brincar?"

Nenhum comentário: