terça-feira, 23 de junho de 2009

Funk do Joel

A onda do momento é tirar sarro do inglês modesto falado por Joel Santana, treinador brasileiro da África do Sul. O pessoal do Pânico, o padeiro da esquina, o vendedor de algodão doce da praça, as vovós no asilo, os agentes carcerários do Presídio Central, todos estão rindo de Joel. Atitude pequena, ridícula e de mau gosto. Acima de tudo, atitude de povo colonizado.

Primeiramente, desse pessoal risonho todo, creio que nem 10% deve dominar o inglês tal qual um virtuoso da língua dita universal. Joel Santana está tentando se comunicar, e do jeito dele, está aprendendo. Antes de rir do cara, deve-se aplaudí-lo, pois o fato de buscar aprender uma língua e tentar se comunicar diretamente com a imprensa e com os torcedores do seu país configura um exemplo de profissionalismo.

Ah, mas quando vem um estadunidense pro Brasil falando "Burrasil, carrnavall, mulheures", ou um alemão torrado pelo sol de Copacabana falando "Brrasil, abrraço todos brrasileiras", todo mundo aplaude, acha bonitinho e engraçadinho. É a babaquice colonizada. Pagam pau feito índios que louvavam colonos portugueses e recebiam badulaques e espelhinhos em troca do Pau Brasil e de nossas especiarias.

Santo de casa não faz milagre mesmo. O Brasil para os brasileiros é pura chacota. E, talvez por uma inveja escondida em algum recôncavo da alma, quando algum brasileiro busca crescer e ganhar o seu espaço, com humildade, com superação de seus próprios limites, é atacado por chacotas um tanto recalcadas. Esqueçam um pouco do Joel Santana. Peguem no pé do aculturado, letrado, fluente e michaelístico Rubinho. Esse sim, um anti-herói nacional que nada tem da cara desse país. Um cara que fica em segundo até quando joga Snake Arcade no celular. E acha uma maravilha!

Mas, acima de tudo, respeite-se o ser humano. Joel Santana tem família. Deve ter filhos. Está trabalhando, fazendo o seu melhor. Debochar de uma pessoa da forma desonesta e agressiva que isto está sendo feito é lamentável. Tem que se saber distinguir brincadeiras saudáveis, sarcásticas, sutis de grosserias e agressões morais. E Joel tem sido agredido moralmente.

Nenhum comentário: