quarta-feira, 10 de maio de 2017

Ingênuas defesas do indefensável

Bem no meio do que ele é, uma lacuna.

Nada que volte pode resolvê-lo.

As cores se revelam, mostram a essência das coisas.

É tão claro o cenário que se desenhou!

Ele não se preocupa com o que querem que ele se preocupe.

Nem quer ser o que querem que ele seja.

Na inércia reside sua verdadeira força, o silêncio é o seu grito.

As luzes se acendem para trazer o óbvio até os olhos.

Ingênuas defesas do indefensável não são tão ingênuas assim.

O aplauso mais fácil se perdeu quando uma palma se desviou da outra.

A verdade é apenas um inconveniente para o que tentam nos contar todos os dias.  

E então a razão derrete na tentativa insana de transformar estórias em história.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Cinzas levadas pelo vento

O giro cada vez mais rápido vai levando tudo pelo caminho.

Há sempre mais para explorar, e mais, e mais.

Podemos inventar mais algumas horas, jogar segundos preciosos no esgoto.

Tudo se revela, nada se releva.

Qual a próxima fila na qual tenho de entrar?

Eu nunca sei para que isso serve, afinal.

As verdades e as vontades estão em constante desencontro.

Será que eu quero querer o que você quer que eu queira?

Somos cinzas levadas pelo vento, então por que insistimos em ter forma?

Tenho meu lugar de camarote, posso me ver sem pagar ingresso.

Mas ainda estou tão entediado, amando apenas palavras e recusando ordens que não fazem sentido.

É exaustivo prosseguir e nada saber, a perfeição soa tão hipócrita e sem valor. 

Nos caminhos do espírito, vou deixando migalhas...

domingo, 30 de abril de 2017

Raio de sol

A solidão se vai, junto com a chuva.

O céu se abre com seu sorriso, meu raio de sol.

Com ele, abro meu peito, que dispara.

Olho para o seu olhar, do brilho mais intenso.

E tenho a certeza de que, por você, eu faria tudo de novo.

sábado, 29 de abril de 2017

Até o último segundo

Acertos nunca existem.

Temos até o último segundo.

Boas intenções vagam pelos becos.

E então me ensinam o que eu devo querer.

A mente encontra respostas.

Errar já não faz tanta diferença.

Talvez tenhamos algo para parecer.

Apertaram nossos laços no pescoço, eles nos estrangularam.

Todos os caminhos se bifurcam.

E minhas verdades já não oferecem chances de fuga.

Assim é o destino.

Assim são os fins e os começos. 

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Espelho que não se quebra

O medo não é argumento.

Por entre as palavras eles escondem a verdade.

No desafio à mente, a fuga.

Queremos o direito de não ser apenas iguais, miseráveis nadando na mediocridade.

Não sobrou nada por entre os dedos, mãos livres e sujas apontam para o lado errado.

Eles se repetem, eles não refletem. 

Se nas profundezas há alguma justiça, a superfície é fétida.

Há um mundo se rompendo em pedaços, os meios se desconectaram dos fins.

Nada mais serve como desculpa.

A negação é espelho que não se quebra, refletindo a fábula que eles inventaram para nos enganar.

A tragicomédia passa diante dos nossos olhos incrédulos.

Eles não têm mais nada a dizer, então por que ainda estamos de ouvidos tão atentos?

Todos os remorsos se afogaram no vazio dos ecos daquilo que não foi gritado.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

No meio do nada

Os olhos ressecados têm medo.

O fim pode ser o começo.

Entre espíritos despedaçados, apenas a sobrevivência.

No solo tão árido, nada parece florescer.

Quanta areia há na ampulheta?

A existência é labirinto sem fim, mesmo nos caminhos mais conhecidos.

E as respostas prontas, todas viraram tolice para os manuais que ninguém mais lerá.

Mas no meio do nada, o amor sobrevive à desesperança.

Por mais um minuto, por mais um dia, por mais um milênio.

Ainda há algo de humano em nós.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Na minha mente

Na minha mente, imagens do que nunca aconteceu.

Na minha mente, palavras que jamais foram ditas.

Na minha mente, eu me asfixio.

Na minha mente, eu me consumo.

Na minha mente, uma série de eventos perfeitamente encadeados.

Na minha mente, uma dor que nunca senti.

Na minha mente, o improvável tão real.

Na minha mente, tudo começa e tudo se acaba.

Na minha mente, estou perdido em um labirinto.

E acordo no mesmo lugar. 

É a ansiedade.

É a minha ansiedade.

É a ansiedade.

É a minha ansiedade.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Cubo mágico

Nos acordes conhecidos, a sensação que se resgata.

Aflora-se um mesmo começo, e que o fim seja o mesmo.

Muitos espaços em branco, está criado o enigma.

Até os acertos estão errados, não sobrou nenhuma saída.

A paz é uma janela, a inquietude é permanente.

Muda-se tudo para permanecer no mesmo lugar.

Sempre há algum desajuste, somos tão incompletos e tolos.

A plenitude talvez seja uma quimera, a vida é um cubo mágico.

Somos o acaso, algo que tem sentido em si mesmo.

E talvez só tenha sentido em si mesmo, mesmo.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Entre o que foi e o que poderia ter sido

Ela está perdida.

Está entre o que foi e o que poderia ter sido.

Os tempos erram em sua perfeição, como se pode voltar?

Todo sonho é tardio, de suas pequenas mãos voam as escolhas.

Ela está em busca do horizonte que sempre foge.

Tornou-se tão natural esperar pelo pior.

E o pior tornou-se então tão normal para aquela garota.

Todo fim é um começo.

E ela já nem precisa mais chorar.

domingo, 16 de abril de 2017

A luz que eu sempre desejei em minha manhã

Um pretexto perfeito para ver o sol brilhar, não era tão difícil de conseguir.

Quando a vontade sobra, motivos não faltam.

As palavras, suas formas e pronúncias, tornam-se mero detalhe.

O que realmente importa nos transcende e nos eleva.

E o lugar onde posso encontrar seus olhos é o melhor lugar.

Eu mudo o cenário e busco a perfeição e o conforto.

Somos inesgotáveis em nossos anseios e encantamentos.

Na fronteira entre o sonho e a realidade encontro a melhor das sensações.

A respiração lenta me faz fechar os olhos e querer ser um pouco mais.

As texturas se encontram e se combinam, levando-nos ao céu.

Fica um gosto bom na minha boca, o raiar do sol atesta nossa veracidade.

É exatamente essa luz que eu sempre desejei em minha manhã.